A beldade do metrô

Ela deve ter entrado quando soou o sinal de fechar as portas. Mas, para mim, foi como se ela tivesse surgido do nada, como uma aparição, sabe? Num segundo ela não estava lá e depois... estava. Ela não era desse mundo. Não podia ser. Ela era o tipo de mulher para quem homens uniformizados abriam …

Continue lendo A beldade do metrô

Anúncios

A fábula do deus soberbo e do lago quase proibido

Numa Terra Distante, não importa do quê, viviam deuses. Apesar de serem todos deuses, todos imortais, havia uma hierarquia e havia um manda chuva, um deus no topo. Como todo o seu povo, por serem deuses, se achava muito importante e acreditava que podia fazer o que quisesse, de vez em quando o deus-mor criava …

Continue lendo A fábula do deus soberbo e do lago quase proibido

Metrolove. Ou amor em tempos de metrô lotado.

Eles se conheceram em frente à bilheteria da estação Trianon-MASP do Metrô. Definitivamente, um caso de atração à primeira vista. Ela queria dois bilhetes e não tinha dinheiro trocado. Ele queria apenas uma informação que a funcionária não sabia dar. Ela sabia. Explicou a ele como chegar na Barão de Itapetininga, perdida no seu olhar. …

Continue lendo Metrolove. Ou amor em tempos de metrô lotado.

A Guerra de Todos os Mundos

Parecia impossível, mas Jonas tinha sobrevivido à explosão. Uma enorme placa de metal retorcido, um pedaço da nave espacial, tinha o protegido do impacto e dos estilhaços pontiagudos que se projetaram em várias direções. Levantou-se com dificuldade, apoiando em algo mole sob o seu corpo e que tinha amortecido a sua queda. - Eca! Zumbis... …

Continue lendo A Guerra de Todos os Mundos

O esquema das domésticas II. E se elas soubessem..?

>> Antes de ler, leia a parte 1. Clique aqui. Bete estava feliz com a sua nova aquisição: uma belíssima casa de fim-de-semana num badalado condomínio no interior de São Paulo. Luciana, uma amiga do ioga, tinha lhe dado a dica sobre a casa que acabara de ficar vaga ¨eu e meu marido compramos a …

Continue lendo O esquema das domésticas II. E se elas soubessem..?